POLICIAIS E BOMBEIROS FAZEM MANIFESTO NA PRAÇA DA ASSEMBLEIA

 O chefe da sala de imprensa da Polícia Militar (PM), capitão Flávio Santiago, confirma a mobilização dos servidores, mas explicou que a possibilidade de greve não é uma decisão institucional. “O comando legitima a movimentação porque ele também não concorda com os termos da PLP 257”, afirmou o porta-voz da corporação.

Após uma reunião com o governador, o coronel Marco Antônio Bianchini, comandante geral da PM, informou que os protestos continuam nesta terça-feira (20), mesmo com o comprometimento de Fernando Pimentel de não aderir à proposta. “Amanhã (20), em todo o Estado de Minas Gerais, haverá manifestações dos militares. Devemos mostrar para o governo federal que não aceitaremos essas imposições”, informou o coronel em vídeo feito pela própria PM.

Protesto. Na manhã dessa segunda-feira (19), centenas de militares seguiram em passeata pela região Centro-Sul da capital até a Assembleia Legislativa. Lá, com um carro de som, anunciaram greve e chegaram a votar pela interrupção dos trabalhos. No entanto, segundo o vice-presidente da Associação Nacional de Praças (Anaspra), Heder Martins Oliveira, eles vão aguardar os desdobramentos da votação da proposta no Senado. “Esse projeto afeta todos os Estados, com destaque para polícias e bombeiros. A mobilização continua, estamos todos no mesmo barco e estamos em processo de negociação. Se for preciso parar, a polícia vai parar”, explicou Oliveira.

De acordo com a PM, o texto afeta diretamente a previdência dos militares, os reajustes salariais, as pensões e as promoções. Como a categoria tem regime diferenciado de trabalho, a PLP 257 traz mais cortes, segundo o capitão Santiago.

Os policiais civis e militares defenderam nessa segunda-feira (19) que sejam tratados de forma diferenciada, que as regras para os servidores civis não sejam aplicadas para as corporações. O secretário de Governo de Minas, Odair Cunha, afirmou que o Estado também tem esse entendimento. “A questão da carreira dos militares tem características próprias”, disse Cunha.

Redes. A notícia da paralisação dos PMs tem sido amplamente difundida nas redes sociais e gerado receio. Vídeos, fotografias e a orientação para que a população fique em casa durante esta terça-feira (20) são as principais mensagens divulgadas.

Em véspera de Natal, caso a PM decida parar, o comércio pode ser um dos mais afetados. No entanto, o presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL-BH), Bruno Falci, disse que a PM garantiu segurança. “Quando recebemos essa notícia, fizemos contato com o comando da polícia, que nos garantiu que a segurança será preservada mesmo com as mobilizações”, disse.
Policiais militares e bombeiros fizeram nessa segunda-feira (19) um protesto com indicativo de greve caso a Proposta de Lei Complementar (PLP) 257 seja aprovada pelo Congresso. A medida trata da renegociação da dívida dos Estados, mas provoca, segundo as categorias, cortes em benefícios de servidores públicos. A Polícia Civil também protocolou nessa segunda-feira (19) um documento informando que a corporação poderá entrar em greve se o texto for aprovado.


Foto. Uma imagem que está circulando nas redes sociais mostra um militar carregando uma cartaz que diz “#Liga pro Batman”. A PM informou que irá apurar quem foi o responsável pela “brincadeira”.