EXERCITO BRASILEIRO ESTA NAS RUAS DO ESPIRITO SANTO. CAOS INSTALADO

A partir de hoje (09 de fevereiro 2017), 1.850 homens das Forças Armadas e da Força Nacional de Segurança, começaram a realizar patrulhamento nas ruas do Estado do Espírito Santo

O governo do Espírito Santo transferiu nessa quarta-feira o controle operacional dos órgãos de segurança pública para o general de brigada Adilson Carlos Katibe, comandante da força-tarefa conjunta e autoridade encarregada das operações das Forças Armadas, O objetivo é promover a garantia da lei e da ordem no estado até 16 de fevereiro.

Tudo começou, quando um movimento de esposas de policiais militares do estado capixaba promoveram um evento, chamado vulgarmente de fecha batalhão. A iniciativa dos familiares do Estado inicialmente seria chamar a atenção do Governo para a situação da segurança pública, onde segundo elas e alguns militares que pediram anonimato, a situação em termos logísticos estaria caótica, sem falar nos salários dos policiais que após os descontos devidos, o soldo de um soldado chegaria a R$1,300 (Mil e trezentos reais).


O movimento foi ganhando força e diversos militares aderiram a uma paralisação, que culminou em um grave problema social no Estado. Marginais sabedores da falta de policiamento nas ruas, começaram a invadir estabelecimentos para furtos, fato que acabou se agravando, em diversos pontos da cidade, onde populares percebendo a ação de saques, começaram a saquear as lojas que haviam sido arrombadas.

Nos pontos de ônibus, várias pessoas sendo roubada, e nas ruas no geral, já foram registrados mais de 63 mortos.

“A população está amedrontada, as pessoas estão morrendo nas ruas. Isso é grave. Os policiais têm plena consciência da gravidade do momento que estamos vivendo. Estou muito confiante que vamos conseguir restaurar a sanidade, porque o que estamos vivendo aqui é um estado de total insanidade”, disse o secretário de Direitos Humanos.


Esta marcado para hoje a tarde uma reunião entre representantes dos policiais com o Governo, para ajustes e possível acordo.