GOVERNADORES DOS ESTADOS SE REUNIRAM EM BRASILIA CONTRA A POLICIA

Nove governadores e três vices se reuniram na tarde desta quarta-feira (15 de fevereiro) no Distrito Federal, onde assinaram uma nota pedindo que o governo federal e o congresso não aprovem nenhum tipo de anistia a policiais que tenham sido punidos por paralisação, como as ocorridas no Espírito Santo.

Em nota, os Governadores argumentaram que qualquer medida de anistia, aprofundaria a insegurança vivida nos Estados. "Neste momento de instabilidade e insegurança, é preciso agir com firmeza para que situações semelhantes não se expandam para outras regiões do país", afirma o documento.

É imperioso que o governo federal aprofunde as discussões com os governos estaduais e implemente o Plano Nacional de Segurança Pública. Em um conjunto de ações que vise conter ações e estratégias que garantam a segurança das cidades e o controle das fronteiras, diz o texto.

Estavam presentes na reunião, os governadores do Estado do Espírito Santo, São Paulo, Amazonas, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Amapá, Distrito Federal, Goiás e Pernambuco.


Como os policiais militares são proibidos pela Constituição, de fazerem greve, mulheres dos policiais fecharam a entrada dos batalhões e quartéis, provocando redução o paralisação do policiamento no Espirito Santo e Rio de Janeiro, nas últimas semanas. Nos dois casos, homens das Forças Armadas e da Força Nacional de Segurança foram acionados.

No último dia 13 de fevereiro, os familiares dos Policiais no Espírito Santo e representantes de classe, chegaram a anunciar que desistiram no pedido de aumento de 43% dos salários e encerrariam o movimento, em troca o governo deveria anistiar os policiais envolvidos. No entanto o governo informou que pretende punir os policiais, pois a anistia seria proibida pela Constituição.